Parques dos Ervais
Notícias

Pacto pela educação lota Centro de Convenções de Ponta Porã
Quinta, 28 de Março de 2013 - h


Prefeito Ludimar Novais e deputados participaram do lançamento do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Foi lançado no último sábado, dia 23, às 8h, no Centro de Convenções de Ponta Porã, o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Durante o ato, o prefeito Ludimar Novais (PPS), destacou que sua gestão tem a educação como prioridade e que para tudo na vida tem a idade certa. A solenidade contou com a presença do deputado federal Vander Loubet, dos deputados estaduais Pedro Kemp e Cabo Almi; da coordenadora do programa e professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Regina Aparecida Marques de Souza, além da vice-prefeita Sônia Cintas e da secretária de Educação, Denize de Oliveira. Ludimar ressaltou durante seu pronunciamento que a educação pode transformar uma sociedade. "Hoje estamos lançando o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa porque entendemos a importância da alfabetização plena do cidadão. Tem pessoas que conseguem ler, mas não sabem interpretar o que estão lendo, são o que chamamos de analfabetos funcionais. Tudo na vida tem a hora certa, até para casar. Se casar muito novo, sofre com a inexperiência; se casar velho demais, corre o risco de ser avô dos próprios filhos", disse, sendo aplaudido pelos professores que lotaram o Centro de Convenções. Os deputados Vander Loubet, Pedro Kemp e Cabo Almi, durante seus pronunciamentos destacaram os investimentos na educação que vem sendo realizados pela presidente Dilma Roussef (PT). "O Pacto da Educação lançado aqui em Ponta Porã pelo prefeito Ludimar é a união de forças com o Governo Federal e o Estado para assegurar que todas as crianças tenham a oportunidade de serem alfabetizadas até os 8 anos de idade. Essa soma de esforços é que poderá garantir melhorias na educação, facilitando o acesso e incentivando o aprendizado", disse Vander Loubet. Conforme a Secretaria Municipal de Educação, os eixos de atuação do Pacto são: Formação continuada presencial para os professores alfabetizadores e seus orientadores de estudo; Distribuição de materiais didáticos, obras literárias, obras de apoio pedagógico, jogos e tecnologias educacionais; Avaliações sistemáticas, gestão de controle social e mobilização. O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa proporciona aos professores alfabetizadores estudos por meio de formação continuada abordando os seguintes temas: Currículo na perspectiva da inclusão, Concepção de alfabetização, Gênero textual, Apropriação do sistema de escrita alfabética, Planejamento, Literatura na alfabetização e Avaliação. Transversalmente serão tratados também os temas: Aspectos lúdicos no ciclo de alfabetização e Inclusão. A Secretaria Municipal de Educação em parceria com o governo federal e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, unidade de Campo Grande oferecerá cursos de capacitações presenciais à aproximadamente 180 professores alfabetizadores e coordenadores pedagógicos, os mesmos receberão certificação de 120 horas por ano. O Pacto Nacional entende que aos oito anos de idade, as crianças precisam ter a compreensão do funcionamento do sistema de escrita; o domínio das correspondências grafofônicas, mesmo que dominem poucas convenções ortográficas irregulares e poucas regularidades que exijam conhecimentos morfológicos mais complexos; a fluência de leitura e o domínio de estratégias de compreensão e de produção de textos escritos. No Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, quatro princípios centrais serão considerados ao longo do desenvolvimento do trabalho pedagógico: 1. o Sistema de Escrita Alfabética é complexo e exige um ensino sistemático e problematizador; 2. o desenvolvimento das capacidades de leitura e de produção de textos ocorre durante todo o processo de escolarização, mas deve ser iniciado logo no início da Educação Básica, garantindo acesso precoce a gêneros discursivos de circulação social e a situações de interação em que as crianças se reconheçam como protagonistas de suas próprias histórias; 3. conhecimentos oriundos das diferentes áreas podem e devem ser apropriados pelas crianças, de modo que elas possam ouvir, falar, ler, escrever sobre temas diversos e agir na sociedade; 4. a ludicidade e o cuidado com as crianças são condições básicas nos processos de ensino e de aprendizagem. Dentro dessa visão, a alfabetização é, sem dúvida, uma das prioridades nacionais no contexto atual, pois o professor alfabetizador tem a função de auxiliar na formação para o bom exercício da cidadania. Para exercer sua função de forma plena é preciso ter clareza do que ensina e como ensina. Para isso, não basta ser um reprodutor de métodos que objetivem apenas o domínio de um código linguístico. É preciso ter clareza sobre qual concepção de alfabetização está subjacente à sua prática.




Voltar